Home Música Noticias Literatura Contatto Serviços Pagina 8 Livros Outros...
Cronica e arte

CRONICA E ARTE  CNPJ nº 21.896.431/0001-58 NIRE: 35-8-1391912-5 email cronicaearte@cronicaearte.com.br Rua São João, 869,  14882-010, Bairro Aparecida Jaboticabal SP
NOSSA ENERGIA ELÉTRICA MAIS CARA Jaboticabal 3 de dezembro de 2020 Esta semana a Agência Nacional de energia Elétrica anunciou que a energia elétrica ficará mais cara e estará sendo enquadrada na bandeira vermelha. O consumo aumentará, pois a cada 100kw o consumidor pagará R$6,24. A justificativa é que o baixo nível das represas e o período sem chuvas foi o responsável por este aumento, em consequência todos pagaremos pelo aumento. A previsão deste aumento era para o ano de 2021, mas foi antecipado. Os consumidores dos serviços públicos já são bombardeados por inúmeros impostos, taxas, tarifas e outros penduricalhos que são introduzidos sem o menor constrangimento causando sobremaneira prejuízo e diminuição no poder de compra de cada um. A quem diga que poderemos sofrer impactos no fornecimento de Energia elétrica com apagões pela insuficiência de abastecimento, e que isso ainda não aconteceu, em decorrência da energia elétrica fornecida por usinas termelétricas. Que não chegue por aqui o que está acontecendo no Estado do Amapá. Lá cerca de 800 mil pessoas foram afetadas, ficando privadas de abastecimento de água, a compra e armazenamento de alimentos, serviços de telefonia e internet, entre outros. Em nossa Jaboticabal além deste aumento que será imposto a todos os consumidores, como em outras cidades, temos que pagar a CIP (Contribuição de iluminação Pública). Esta contribuição está listada em nossas contas de energia elétrica e indistintamente são cobradas de todos os consumidores. Nossos comerciantes acabam por ter inseridos em seus consumos mensais com energia elétrica, cerca de 20% do consumo total referente a CIP (Contribuição de iluminação pública). Em Jaboticabal está cada vez mais difícil trabalhar e conseguir manter o estabelecimento comercial aberto e perpetuar o trabalho e emprego. A angústia do munícipe aumenta quando precisa racionar seu consumo de energia elétrica, que vai desde o uso dos eletrodomésticos até equipamentos de sua empresa que mantém resfriados alimentos e ambientação. Enquanto não houver nenhuma movimentação contrária do povo, os aumentos continuarão a ser impostos e o achatamento do poder de compra aumenta na mesma proporção.     
FALANDO SÉRIO
João Martins Neto *
*Dr João Martins Neto é Advogado em Jaboticabal SP
facebook do autor e Agencia Brasil
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO